Você já parou para pensar no quanto a tecnologia tem melhorado a vida das pessoas e o quanto ela impacta no atendimento médico? As inovações ajudam a medicina atual com exames que há pouco tempo não eram possíveis. Hoje em dia podemos contar com o desenvolvimento de novas medicações e também com a radiologia digital, que consegue entregar resultados de forma mais rápida e com imagens de maior qualidade.

O papel do diagnóstico por imagem é fundamental na medicina.

Por meio dele é possível realizar avaliações com maior precisão e iniciar o tratamento adequado mais rapidamente. Por conta de tamanha importância, a área radiológica vem crescendo, e hoje podemos contar com um serviço digitalizado.

O que é a radiologia digital?

A tendência de toda tecnologia é se modernizar com o passar do tempo. Nossas televisões, por exemplo, passaram a transmitir em imagem HD e as câmeras dos celulares têm cada vez mais pixels. Na área da radiologia não é diferente. Durante o processo de formação da imagem digital, são utilizados sensores de raio-x digitais no lugar dos sensores tradicionais dos filmes radiográficos ou de chassis eletrônicos. Ocorre uma captura da imagem no formato digital por parte do dispositivo.

Como foi a evolução desse sistema?

Quem pensa que essa tecnologia acabou de surgir, está enganado. A radiologia digital já existe há cerca de 20 anos e chegou ao nosso país no ano de 1990. Porém, a execução desse tipo de diagnóstico por imagem, de fato, só teve início no ano 2000. Desde então, trata-se de uma tecnologia que não para de crescer e se modernizar. A tendência é o aprimoramento das imagens, fazendo com que elas apresentem a maior qualidade possível.

O que é a radiologia digital?

Na radiologia convencional, todo o processo é realizado analogicamente. Os raios-x ultrapassam o corpo do paciente e, devido às diferenças de absorção de radiação de cada região do corpo, mais feixes chegam até a chapa. Lá, as partículas de raio-x se encontram com o filme e provocam uma reação química. Então, o filme ainda tem de ser revelado em uma câmara escura em produtos químicos. Isso deixa o processo um pouco mais demorado – o que pode retardar o diagnóstico por alguns minutos, um tempo que pode ser crucial em casos mais urgentes.

Além disso, a nitidez da imagem fica dependente da qualidade dos filmes e dos produtos químicos utilizados. Como ela depende de um bom armazenamento e bons fornecedores, há momentos em que a qualidade pode deixar a desejar. Ademais, pela própria natureza do processo, as famosas “chapas” apresentam naturalmente uma nitidez menor do que as digitais. Isso aumenta a sensibilidade e a especificidade do exame, permitindo que o paciente tenha mais chances de receber uma imagem confiável que realmente leve a um diagnóstico correto.

Qual a diferença entre radiografia computadorizada e a digital?

Apesar de ambas utilizarem técnicas virtuais para obter imagens, há diferenças muito importantes entre elas?

Captura de Imagens

A radiografia computadorizada apresenta o processo convencional (analógico), com revelação de filmes por meio de produtos químicos. No entanto, no final do processo, a imagem é digitalizada em uma espécie de scanner e, assim, ela pode ser convertida para o formato digital e, então, melhorada com programas e enviada eletronicamente. No entanto, ela não conta com os sensores potentes da radiologia digital e, por isso, perde em qualidade. Fazendo uma analogia com o cotidiano, a qualidade de uma foto escaneada não é a mesma de uma tirada por uma câmera digital. Ou seja, na hora que você avaliar a radiografia de um paciente, não haverá uma riqueza de detalhes que contribui para o diagnóstico.

Tempo Para o Resultado

Da mesma forma, outra grande diferença é o tempo para que a imagem fique pronta. Como a digitalizada precisa dos processos tradicionais de revelação, ela demora mais para ficar pronta, além de gastar mais alguns minutos para ser escaneada. Assim, pode demorar alguns bons minutos. Já na digital, tudo fica pronto em apenas alguns segundos. Assim, eles podem ser rapidamente laudados ou avaliados pelo clínico. Esse tempo pode ser rico em algumas doenças cujo diagnóstico precisa ser extremamente rápido, como o tromboembolismo pulmonar.

As principais vantagens da radiologia digital

Menor exposição à radiação
Outra vantagem muito importante é o fato de a radiologia digital expor o paciente à radiação por um tempo consideravelmente menor se comparada ao exame tradicional. Para obter uma imagem digital, os níveis de radiação são cerca de 90% menores do que aquele que o paciente é exposto no método analógico. Além disso, no processo convencional, em muitos casos, o paciente precisa repetir as imagens mais de uma vez até que se obtenha uma boa visualização — o que no método digital não acontece — já que a imagem pode ser melhorada na tela do computador.

Mais qualidade e segurança
O processo de radiologia digital garante ao paciente maior segurança de um diagnóstico correto, principalmente por se tratar de um método que utiliza tecnologia moderna com equipamentos de última geração. A radiologia digital oferece exames cada vez menos invasivos para os pacientes e ainda fornece imagens com maior nitidez, ajudando os médicos radiologistas na hora de realizar os diagnósticos.

Mais facilidade com os laudos
Outro benefício importante é a facilidade do acesso ao laudo, que se tornou mais rápido e cômodo. As imagens são armazenadas no sistema para que o profissional de saúde consiga acessá-la a qualquer momento e de qualquer lugar. Por meio da radiologia digital é possível utilizar o compartilhamento de imagens, o que permite a discussão de casos clínicos com os mais diversos especialistas, garantindo um melhor diagnóstico por meio do sistema PACS (Picture archiving and communication system), sistema que reúne os softwares com o maior desempenho em tecnologia para gestão de imagens, aumentando a produtividade dos centros de diagnóstico e permitindo o compartilhamento de laudos a distância. A agilidade no envio dos laudos nesse processo é fundamental para a satisfação do paciente. Com os laudos a distância, você não depende da entrega dos exames físicos.

Qual é a tendência?
O que se espera para os dias de hoje, é uma imagem com cada vez mais qualidade e rapidez na hora de realizar o exame. Gradativamente, mais centros médicos utilizarão o sistema PACS, o que viabiliza maior comunicação entre os profissionais para a discussão de casos clínicos. A redução no uso de radiação também é uma tendência, com exames que expõem o paciente a menos raios-X e em um menor tempo de obtenção de imagens, oferecendo maior segurança.

Fonte: Clique aqui